PiauíPolícia

Caso Camilla Abreu: falta do corpo não vai atrapalhar indicação do suspeito

Após confirmar que a estudante de Direito Camilla Abreu foi morta, o delegado Francisco Baretta, coordenador da Delegacia de Homicídios, disse em entrevista que está perto da conclusão das investigações e que o fato do corpo ainda não ter sido achado, não atrapalha na indicação da autoria.

“Posso garantir que nós estamos próximos da conclusão da investigação criminal que elucida por inteiro a morte, assassinato na Camilla. O corpo estamos diligenciando, pois recebemos informações, já temos o crime estampado, de homicídio, o crime de ocultação de cadáver, se não encontrarmos o corpo, evidentemente que vai estampar a destruição do cadáver, o criminoso que for o autor material desse delito, se a coisa está feia pra ele, vai ficar ainda muito mais feia”, disse.

Delegacia de Homicídios apura o caso
Delegacia de Homicídios apura o caso     Foto: Maelson Ventura

CASO DO GOLEIRO BRUNO
O delegado afirmou que caso o corpo não seja encontrado, vai estar evidenciado o crime de destruição de cadáver, já que as provas mostram a prática do crime, como no caso da morte de Eliza Samúdio, onde o copo nunca foi encontrado e mesmo assim o goleiro Bruno foi condenado

“Não prejudica em nada. Se um criminoso praticar um crime de homicídio e resolve destruir o cadáver, ninguém encontra, era muito bom pra ele, mas nós temos no acervo jurídico do Brasil, não só o caso do goleiro Bruno, temos vários outros casos, inclusive um caso emblemático em Minas Gerais, onde um engenheiro da antiga Telemar matou a companheira e recorreu até o Supremo, foi ao tribunal do juri, condenado a pena máxima. Já temos assentado nos mananciais jurídicos. Era muito bom pra ele, se matar, destruir o cadáver e ficar por isso mesmo, mas quem estiver pensando assim, está pensando errado, pois vai responder por mais um crime, vai ter um concurso de crimes: homicídio, ocultação de cadáver e destruição de cadáver”, concluiu o delegado Baretta.

Delegado Baretta
Delegado Baretta 

ADVOGADO DE POLICIAL PROCUROU DELEGADO
O coordenador da Delegacia de Homicídios disse ainda que foi procurado pelo advogado do policial  Allisson Wattson, Chagas Bisneto, que queria conversar com ele e apresentar o capitão à polícia. “Eu disse pra ele que nós estávamos fazendo a investigação e  que no momento oportuno nós íamos solicitar, se for o caso, a Corregedoria da Polícia Militar para apresentação dele, ou as diligências que forem necessárias”.

Fonte: 180graus

Comentários

Moisés Pontes

Moisés Pontes atualmente é estudante de enfermagem pela Faculdade FAMEP. Iniciou sua carreira profissional como colunista jornalístico em 2013 no site de notícias local Amarante Net a convite do atual prefeito Luiz Neto (PSD). Em 2014, recebeu o convite para assumir no Portal JN (Teresina) a coluna Informe Amarante com notícias do município e região. Atualmente também presta serviços como assessor de imprensa político e colaborador da AD Publicidade de Teresina. A convite da deputada e secretária de infraestrutura, Janaínna Marques, Moises recebeu a presidência do PTB Jovem Amarante tornando-se adjunto ao atual presidente Dr. Ítalo Queiroz (PTB Amarante). Trabalhou em 2015 como TARM-Técnico Telefonista Auxiliar de Regulação Médica do SAMU Amarante. Sobre sua paixão por jornalismo, Moisés Pontes foi orientado e instruído pelo jornalista, advogado, professor e historiador cultural Virgílio Queiroz, ator do filme Aí Que Vida de Cícero Filho. Moisés Pontes tem como meta no futuro próximo, criar um site e assessoria de mídias e notícias em saúde devido sua paixão por enfermagem e jornalismo.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close