EntretenimentoMoisés PontesPiauíÚltimas

Dica de Leitura com José Augusto

AMARANTE ELEIÇÕES 2016 – O silêncio dos inocentes da onda azul diante da “primeira grande mudança”.

Prefeito de Amarante vai ganhar 14 mil reais a partir de 2017 – O vice-prefeito vai receber R$ 7 mil por mês e os secretários municipais, R$ 2.800,00. FONTE: GP1

No momento em que governantes antenados estão preocupados com a crise econômica mundial e tentam ajustar seus orçamentos, algumas prefeituras do Brasil Varonil ainda convivem com salários que ultrapassam até a remuneração do presidente da República.

Enquanto o presidente dos Estados Unidos a maior potencial mundial, Barack Obama decide congelar os salários dos altos funcionários da Casa Branca para dar “o bom exemplo”, no Brasil alguns mandatários de municípios não se adaptaram à nova realidade. A Constituição Federal não impede que prefeitos ganhem mais que o presidente, mas pelo amor de DEUS! Tem que ter limites.

Cabe aos vereadores avaliar o custo-benefício na hora de decidir sobre o salário do prefeito, principalmente em tempos de turbulência econômica. Sinceramente não se justificam remunerações como estas. Há muito abuso, e isso se deve à relação de “compadres e cupinchas” entre parlamentares e prefeitos na esfera municipal e o descontrole no gasto dos recursos federais.

O que mais me preocupa é o fenômeno de pessoas retroalimentadas tanto por alguns “politiqueiros eternos” quanto pelos “eleitores interesseiros”. Ou seja, conforme os ditados populares “um gambá cheira o outro” e “dai a César o que é de César” se aplicam nessas produções subjetivas e sociais. Não estou me referindo apenas nomes de pessoas ou de partidos políticos, mas de participação ativa e cidadã nas discussões de temas relevantes para toda a população da nossa cidade, através do engajamento consciente, livre e responsável.

Diferente, portanto, das políticagens predominantes e dos interesses recíprocos narcisistas e grupais dos velhos políticos amarantinos. A polis não deve ser uma galeria de espelhos onde os atores políticos e apenas uma parcela da população se completem de forma especular, eliminando os outros que não aparecem no “meu espelho egóico”, pois Política é também estar sempre atento à coisa publica e à igualdade social na qual todos, sem exceção, devemos estar inseridos.

É preciso se posicionar de forma mais atenta, pois todo discurso político, qualquer que seja, traz em seu bojo a ideologia na qual ele se assenta, qual seja: a de manter ou modificar o poder instituído, que aí está e o que doravante estará. Esses mesmos discursos políticos ideológicos atravessam todas as nossas instituições: família, saúde, educação, religião… Todo grupo político tem um líder, as ideias e o seu rebanho. Suas ideias são disseminadas no campo discursivo, muitas vezes, gogó abaixo, sem que seja exerçida pelo “rebanho de fiéis” as reflexões necessárias. Todo discurso político tem um único fim, inverter e produzir uma realidade para se sustentar ou conseguir o poder.

Eu sou José Augusto (Cabeça) – Sem medo e sem ódio. Sempre falando a verdade doa a quem doer!!!

 

Texto: José Augusto (Cabeça)

Edição e reprodução: Moisés Pontes

Comentários

Moisés Pontes

Moisés Pontes atualmente é estudante de enfermagem pela Faculdade FAMEP. Iniciou sua carreira profissional como colunista jornalístico em 2013 no site de notícias local Amarante Net a convite do atual prefeito Luiz Neto (PSD). Em 2014, recebeu o convite para assumir no Portal JN (Teresina) a coluna Informe Amarante com notícias do município e região. Atualmente também presta serviços como assessor de imprensa político e colaborador da AD Publicidade de Teresina. A convite da deputada e secretária de infraestrutura, Janaínna Marques, Moises recebeu a presidência do PTB Jovem Amarante tornando-se adjunto ao atual presidente Dr. Ítalo Queiroz (PTB Amarante). Trabalhou em 2015 como TARM-Técnico Telefonista Auxiliar de Regulação Médica do SAMU Amarante. Sobre sua paixão por jornalismo, Moisés Pontes foi orientado e instruído pelo jornalista, advogado, professor e historiador cultural Virgílio Queiroz, ator do filme Aí Que Vida de Cícero Filho. Moisés Pontes tem como meta no futuro próximo, criar um site e assessoria de mídias e notícias em saúde devido sua paixão por enfermagem e jornalismo.

Artigos Relacionados

Close